Dias Felizes

Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, e o governo está sobre os seus ombros. E ele será chamado Maravilhoso Conselheiro, Deus Poderoso, Pai Eterno, Príncipe da Paz” (Isaías 9.6 – NVI).

Ao entrarem na casa, viram o menino com Maria, sua mãe, e, prostrando-se, o adoraram. Então abriram os seus tesouros e lhe deram presentes: ouro, incenso e mirra” (Mateus 2.11 – NVI).

Uma das primeiras lembranças que tenho da infância, talvez a primeira, foi do Natal. Eu devia ter três anos de idade. Meu pai trabalhava muito, além de estudar para se formar em Engenharia, era sargento do exército. Sei que o dinheiro não era fácil. Naquela época comemoramos o Natal à noite e fui dormir sem nem esperar muito de um presente. Logo de manhã cedo, lembro-me como hoje, ao abrir os olhos vi imediatamente algo enorme e estava escondido sob um lençol no meio do quarto. Imediatamente imaginei que era um presente de Natal. Meus pais entraram no quarto com meu grito e imediatamente levantaram aquela coberta. Meus olhos brilharam ao ver um carro de corrida daqueles que a gente senta e tem que pedalar para andar. Andei naquele carro o dia todo e durante muito tempo, pois ele era tão bem construído que aguentou ainda meus dois irmãos que vieram anos depois. Meu Natal aquele ano foi completo. Feliz a ponto de até hoje ao lembrar fica difícil esconder os olhos marejados.

Marejados sim, porque foi um dia feliz. Marejados também, porque soube anos depois que foi difícil e caro aos meus pais comprarem aquele presente. Talvez até hoje eu fique com os olhos brilhando e encantado com o Natal por causa daquele dia. Dia feliz.

Quando Jesus nasceu, ganhou dos reis magos ouro, incenso e mirra. Seu nascimento foi celebrado por pastores, reis e anjos. Um dia celebrado até hoje por nós. Possivelmente Jesus soube daqueles dias e dos presentes que recebeu porque sua mãe contou a história dezenas de vezes. Dias felizes que ele conheceu por ouvir de sua própria história.

Possivelmente em sua vida você tenha experimentado dias felizes como eu ou como Jesus. Talvez neste Natal não tenha razão pra estar feliz. Ou até acredite que sua vida não teve dias felizes ou, se os teve, foi só de ouvir falar.

Jesus foi o presente de Deus para nós. Um sacrifício extremo por parte daquele que nos ama a ponto de dar a vida por nós. Ele veio para nos dar salvação, nos reconciliar, trazer paz com Deus e alegria. Mas há muitos, talvez você mesmo, que nunca conheceram essa alegria. Você mesmo acredita em Deus e entende a Cristo como presente de Deus, mas não conhece os dias perenemente felizes que ele pode dar. Conhece os dias felizes só de ouvir as experiências dos outros. Se sente morto por dentro. Um morto ambulante.

A Bíblia diz que o nascimento de Cristo foi como uma luz que raia em meio da escuridão e desespero da morte: “O povo que caminhava em trevas viu uma grande luz; sobre os que viviam na terra da sombra da morte raiou uma luz” (Isaías 9.2). Ele veio para transformar mortos em vivos. Amargurados em felizes. Ele quer abrir seus tesouros de vida para você.

Faça mais que acreditar no Natal de Cristo. Entregue de uma vez por todas a ele seus dias tristes, suas amarguras, seus dias nefastos, suas vontades, suas convicções, seus preconceitos, os pecados que cometeu, a dor e o vazio da morte, sua morte ou de outros. E também se você conhece a Cristo, mas se mantém amarrado às misérias do passado permita-se conhecer de uma vez por todas a alegria e salvação que ele dá e que está acima de todas as tristezas da vida. Dê oportunidade para que Ele seja a alegria de sua vida. Deixe que Jesus faça o verdadeiro Natal em você. As circunstâncias podem não mudar, mas em seu coração haverá alegria verdadeira.

Por muitos dias você se lembrará deste Natal como eu, com olhos marejados de alegria. Dia feliz.
Que Deus abençoe a você e traga dias felizes em seu coração, sempre.