Na Entrada da Caverna

Desvia os meus olhos das coisas inúteis” (Salmos 119.37 – NVI).
E eis que passava o SENHOR, como também um grande e forte vento que fendia os montes e quebrava as penhas diante do SENHOR; porém o SENHOR não estava no vento; e depois do vento um terremoto; também o SENHOR não estava no terremoto; E depois do terremoto um fogo; porém também o SENHOR não estava no fogo; e depois do fogo uma voz mansa e delicada. E sucedeu que, ouvindo-a Elias, envolveu o seu rosto na sua capa, e saiu para fora, e pôs-se à entrada da caverna; e eis que veio a ele uma voz, que dizia: Que fazes aqui, Elias?” (I Reis 19.11-13).
Este é um texto sobre a vida de um homem usado por Deus sobrenaturalmente. A história de um homem, Elias, que derrotara mais de 400 adoradores do deus desta terra – Mas que teve medo quando ameaçado de morte por uma mulher.

Mas precisamos falar algo mais: Precisamos descobrir o ainda mais de Deus nesta mensagem.
Deus está na entrada de sua caverna. A caverna é lugar de segurança humana. Onde nós nos escondemos de todos, de nós mesmos, de nossos medos. Lugar escuro de uma agonia constante. O medo de perder e de morrer. A dor do luto que corrompe a alma. Na caverna nos afastamos de tudo e de todos, mas Deus está na entrada da caverna.

Por isso Deus ama o pedido do salmista. “Desvia meus olhos das coisas inúteis”. Na caverna não esteja com os olhos atentos ao forte vento contrário, circunstância de seu exílio na caverna. Não esteja também com seus olhos voltados para o terrível terremoto que abateu a sua vida derrubando alicerces de sua casa, nem tão pouco vigie o fogo que queima seu coração com ingratidões, injustiças e outras dores na alma. Em vez de ter seus olhos voltados para coisas e circunstâncias passageiras e inúteis olhe para Deus que está na porta da caverna te chamando com voz suave, mansa e delicada dizendo: O que fazes aqui? Aqui não é teu lugar. Teu lugar é comigo enfrentando de cabeça erguida o inimigo, vivendo a liberdade de ter-me como Senhor e Salvador. Querido(a), saia da caverna do desespero, da agonia, da dor, da perda, do luto, do rancor e da morte. Jesus está te esperando. Não te demores mais.

Venham a mim todos os que estais cansados e oprimidos que eu os aliviarei” (Mateus 11.28). Palavras de Jesus na entrada de sua caverna. Saia agora em nome de Jesus.