Pratos Quebrados

Hoje no almoço, no refeitório da empresa que trabalho, um colaborador ao colocar o prato na área de recolhimento perdeu o mesmo e ele se quebrou no chão. O barulho foi enorme. Todos pararam de comer e conversar. O silêncio foi sepulcral. Todos olharam em direção ao grande ruído para saber QUEM QUEBROU o prato. Como os desastres, pecados e erros dos outros chamam nossa atenção. Na verdade o problema não é o prato quebrado. É quem quebrou o prato.

A gente espera respostas de quem quebra. Caímos e quebramos por causa de nossos conceitos e experiências. Esperamos respostas, como se todos, respondessem da mesma forma e do mesmo jeito. Como fossem todos iguais. Assim:

Imagine se fosse um policial: Quebrei mesmo, alguém tem algo contra? Ei você aí! Me dá teu prato!
Se fosse um médico: quebrei, mas não estão pagando um salário justo, vou continuar a quebrar e faltar ao trabalho.
Se fosse um socialista: quebrei, mas foi por uma boa ação. Ninguém mais vai ter que limpar o prato.
Se fosse um político: quebrei mesmo! Podem abrir uma CPI, mas encomendem logo um prato novo para pizza.
Um cantor de Funk: quebra! quebra! quebra! até embaixo! quebra! quebra! quebra! até embaixo! Quebrando sem parar! e quebra! e requebra! e quebra e requebra! e cai e não se levanta….. quebra! E quebra!….
Um jogador de futebol: quebrei, mas ganhamos o jogo!
Um pastor, padre ou outro religioso enganado e/ou enganador: Vamos orar pelo prato! Um milagre acontecerá em breve. Haverá o milagre do prato se me derem uma oferta especial de ……
Um sociólogo: Quebrei um prato, não se importem. Vocês sabem quantos estão sem comida, sem prato?
Melhor pergunta: Alguém está disposto a catar os caquinhos do Prato? E abraçar quem derrubou o prato? Mesmo que tenham derrubado por ódio, rancor, mágoas, tristeza, doença, depressão, inveja, religiosidade, decepções, ressentimentos, ….?

A melhor posição é não aprisionar as instituições e as pessoas em nossos próprios conceitos ou pré-conceitos nascidos de experiências de vida. Nossa experiência deveria ser a experiência de Cristo que deveria reinar e viver em nós. É por isso, que um filho maltratado pelo pai, vai ter muitas dificuldades de entender o ensinamento de Cristo, quando nos ensinou a chamar e tratar Deus como Pai. O prato já está quebrado, a família desestruturada, as emoções esfrangalhadas, o espírito desanimado e a alma doente. Mas Deus é o Deus que apesar dos pratos quebrados transforma, cura, santifica, limpa, perdoa, ama os quebradores de prato. Deus que é Pai tem poder de até consertar os pratos, mas Ele quer primeiro que saibas que Ele ama você e a mim – nós os quebradores de prato.

Pensei e orei por mim e por você. Pois somos os maiores quebradores de pratos, e mesmo assim, Ele nos amou!

Vamos olhar nossos pratos e não os do outros, mesmo porque, há pratos de plástico e pratos de porcelana real. Há todos tipos de prato, onde cabe todo tipo de comida. Porém, Deus nos quer dar um banquete, mesmo com pratos quebrados. Ele já nos deu o Pão da Vida – Jesus Cristo.