Vada Festas! Vada Rocha Mais Alta!

Três dias depois, houve um casamento em Cana da Galiléia, achando-se ali a mãe de Jesus. Jesus também foi convidado, com os seus discípulos, para o casamento. Tendo acabado o vinho, a mãe de Jesus lhe disse: Eles não tem mais vinho. Mas, Jesus lhe disse: Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora. Então, ela falou aos serventes: fazei tudo o que eles vos disser. Estavam ali seis talhas de pedra, que os judeus usavam para purificações. Jesus lhes disse: Enchei de águas as talhas. E eles as encheram totalmente. Então, lhes determinou: Tirai agora e levai ao mestre-sala. Eles o fizeram. Tendo o mestre-sala provado a água transformada em vinho (não sabendo donde viera, se bem que o sabiam is serventes que haviam tirado a água), chamou o noivo e lhe disse: Todos costumam pôr primeiro o bom vinho e, quando já beberam fartamente, servem o inferior; tu, porém, guardaste o bom vinho até agora. Com este milagre, deu Jesus princípio a seus sinais em Cana da Galiléia; manifestou a sua glória, e os seus discípulos creram nele.” (João 2.1-11).

O erro fatal do capitão do navio Costa Concordia foi sair da rota prevista e segura. A colisão com as rochas era assim previsível. Quando saímos do caminho traçado por Deus podemos ter certeza que ao batermos em rochas destruidoras no caminho não teremos um casco forte para nos proteger. Se existe o risco, o perigo eminente de afundarmos, porque mesmo assim saímos do caminho de proteção e de segurança, de conforto e de amor, de paz e harmonia, de alegria e de sabedoria que nos leva o Senhor Jesus? Acredito que um dos motivos é a vontade, o desejo incontrolável de curtir as alegrias desta “terra”. Não foi por acaso que eles chegaram perto da terra, da ilha de Giglio.

O Senhor Jesus era extremamente alegre. Ele fez questão de começar seu ministério numa festa de arromba, um casamento cuja festa durava uma semana. Os discípulos de Jesus poderiam ter estranhado, pois acredito que eles e muitos de nós esperávamos do Mestre um começo menos festivo e mais meditativo. Talvez esperassem a ida para o isolado deserto, a condução aos mais altos montes, o esconderijo do silêncio ou a quatro paredes de um belo templo. Nada disso acontece. Jesus surpreende a todos indo para uma festa.

Ir a festas da “terra” não deveria ser para mim e para ti motivo de condenação ou desgraça. Aliás, convido você que passa por momentos difíceis a festejar indo a lugares alegres. VADA FESTAS! Porém enquanto lá estiver, mantenha-se no caminho, firme-se na rota melhor que é Cristo.

Deus sonda os nossos corações. Os seus e meus motivos são vistos pela lupa amorosa e justa do coração do Pai. Deus deseja primeiro seu coração no caminho, suas atitudes são conseqüência de terdes o sorriso de Deus, o coração confortado e esperançoso, a alma curada e a mente de Cristo, e Jesus não saiu do caminho planejado por Deus. Se fizeres assim:

– Beberás o vinho novo. O melhor de Deus preparado para o final da festa da sua vida;
– Verás Jesus alegre; alegre contigo;
– Dançarás a dança irresistível do amor de Deus;
– Viverás realizando o desejo mais profundo do ser humano, o desejo de conhecer a Deus como Ele é;
– Assistirás milagres em sua vida. Milagres de Jesus.

Que grande privilégio será ver Jesus nos livrando de toda e qualquer rocha no caminho. Não haverá colisão em pedras, pedregulhos ou rochas que nos afundará mesmo a mais dolorosa dor, a perda maior, o sofrimento mais insondável, o mais profundo abismo, o mais desgraçado dos vícios, pois HÁ UMA ROCHA MAIOR QUE EU E VOCÊ. JESUS É A ROCHA! É LÁ QUE ESTAREMOS SE ESTIVERMOS NO CAMINHO. Se estiverdes rasgados pela dor da perda suba na Rocha lá encontrarás Jesus que te abraçará em doce e maravilhosa festa. VADA ROCHA MAIS ALTA!