O Encontro com o Feliciano – Parte 2 – O Caos Numa Manhã em Realengo

Feliciano entrou na escola. Ouvia tiros no andar de cima. Na entrada, várias crianças e professores acuados no canto com medo. Não conseguiam se mover. Ele, e seu companheiro, sargento Márcio Alves, sobem as escadas já ensangüentadas. Um protegendo o outro. Não sabem o que irão encontrar. Seus corações parecem anestesiados, mas não é verdade. Eles também têm medo. A escada não ajuda. Ao fazerem as curvas podem ficar na mira das armas tenebrosas. Agindo com cuidado, davam alguns passos para o alto. A qualquer momento poderiam se tornar vítimas na Escola Tasso da Silveira. Sem saber quantos delinqüentes estavam no primeiro andar, eles sobem os lances da escada e encontram o primeiro possível assassino. Vários tiros depois o homem doente está morto. Eles entram na primeira sala de aula. Feliciano me conta o que viu, a cena é terrível, o pedido de socorro de uma menina é um quadro de extremo terror. Não tenho condições de descrevê-la nem teria coragem de fazê-lo. Crianças mortas, feridas enormes, sangue nas paredes, carteiras escolares em que antes habitavam vida agora só possuíam corpos inertes e extremamente destruídos. Será que havia outro assassino? Quantos seriam? Estariam no andar de cima? Gritos, correria, sangue, choro, morte, pedidos de socorro angustiantes, o caos numa manhã em Realengo.

Naquela manhã não havia o que fazer. No comando de tudo aquilo estava o caos. Larry Crabb no livro O Silêncio de Adão diz que: “nossas vidas estão cheias de caos. Caos é a tragédia em um milhão de disfarces. Poderia ser o temor de um futuro incerto. É uma decisão que precisa ser tomada, quando todas as possibilidades parecem certas. Caos pode ser a perda do emprego, uma redução no salário, a perda de um companheiro, um adolescente rebelde, um prognóstico medico ruim. Se formos honestos, admitiremos que o caos nos persegue diariamente. Caos é aquela escuridão que paira sobre nós todas as vezes que conversamos com nossas esposas, trabalhamos no nosso emprego, pagamos nossas contas e tentamos enxergar sentido em nossas vidas”. O caos está em todos os lugares. Pedidos de socorro se juntam ao terrível sentimento de não saber o que fazer. .

O profeta Isaias vivia seu caos. Sua terra, sua nação e seu povo passavam um tempo de extrema tristeza, prisioneiros numa terra repleta de dores e ódio. No caos que ele vivia, preparou-nos para conhecer o Salvador. Ele diz: “Deus é a minha salvação; terei confiança e não temerei” (Isaías 12.2). Há uma chance para o caos de sua vida. Ele se chama Jesus. É nessa hora que seus olhos devem estar voltados para esperança de conhecer o salvador. Ele está perto, subindo as escadas escuras do teu ser, batendo na porta de seu coração angustiado, amando-o quando tudo diz não e quando o caos se instalou em sua família, em sua casa, em seu trabalho, em seu corpo e em sua alma, Jesus aparece e te salva de terrível morte. Abrace o Salvador. O aceite Jesus como Senhor de sua vida e viva as grandezas daquele que te chamou das trevas (caos) para a verdadeira luz (1 Pedro 2.9).