Vou Levar o Meu Bocado

E, tendo Judas tomado o bocado, o pão, saiu logo. E era já noite” (João 13.30).

No Evangelho de João capítulo 13, Jesus indica qual de seus discípulos O trairia em breve. Naquela ceia com seus discípulos Jesus sentia-se bem à vontade. Ele estava entre amigos. Entretanto, a Bíblia diz que naquele encontro Jesus estava angustiado. Sua angústia era fruto de estar bem perto de alguém que o faria mal. Jesus sabia que era Judas, discípulo bem próximo dele, aquele que guardava a bolsa, o tesoureiro, o que daria o beijo da traição. Ao escutar de Jesus a seguinte ordem “o que pretendes fazer, faze-o depressa”, Judas sai, tomando o seu bocado, se retira logo, e já era noite.

Muitas vezes estamos bem perto de quem vai aprontar conosco. Atravessamos a vida e, nela, somos traídos por quem não nunca imaginávamos. Os dias transcorriam tranqüilamente. Durante as manhãs havia harmonia, paz, dialogo e sorrisos sinceros, mas quando chegou à noite, tudo pareceu estar destruído pela avalanche do mal. Como podemos lutar contra as evidências, aquele(a) que mais eu amava, me traiu? Como ficar de pé, se rochas são derrubadas e em seu caminho de destruição se abatem contra nós, com a violência de uma enxurrada de detritos e de lama, frutos da chuva negra da traição? Como caminhar se não conseguimos levantar a cabeça e olhar para o alto?

Há muita gente sofrendo por causa de alguém ou de alguma circunstância. Aprendemos com Jesus que sofrer, é obvio, é uma realidade da vida. Contudo, essa angústia não pode ser o senhor das nossas vidas. Nascemos para o dia; a noite é para os traidores. Não há como carregar cadáveres, zumbis, mortos ou noites em nossas vidas. Fomos feitos para luz, somos de Jesus, a Luz do mundo. Não somos escravos da noite dos outros. Não carregue em seu coração impostores do amor ou ladrões da felicidade. Pois, eles desejam destruir os planos de Deus para ti. Não seja escravo da angustia e do ódio. Não ande a noite dos rancorosos, dos tristes de coração. Libere perdão! Assim, chegará bem depressa à bela manhã da sua ressurreição, de sua restauração, de seu renovo. Não há nada melhor a se fazer do que dizer: “Senhor perdoa-os”. E se não és hoje capaz de dizer e viver o perdão, tudo ficará mais fácil se conhecerdes melhor a Jesus, pois Ele te perdoou, quando você o traiu, trocando-o por um pequeno bocado de alegria.

Há uma decisão a ser tomada hoje na presença de Deus. Viver a noite de Judas ou o lindo amanhecer da ressurreição de Jesus. Viver a noite da traição ou dia lindo do perdão. Carregar o fardo pesado da angustia ou o fardo leve da paz que nos leva a cruz. Trazer em nossas vidas marcas de ódio dos traidores ou as marcas do amor de Jesus. Permita que ele, ela, eles ou elas levem o pão, o bocado deles à noite, para que a sua manhã seja nos braços do Pai. Não os carregue, deixe Jesus os carregar.

Logo depois Jesus diz aos seus discípulos: “Se tiverem amor uns pelos outros, todos saberão que vocês são os meus discípulos” (João 13.35). Seja um discípulo do Senhor Jesus, ame até aquele que te traiu, assim será manhã em sua vida. Mesmo que eu ande a noite vou levar comigo meu bocado, o Pão da Vida, Jesus comigo estará para sempre.