Sou Eu

Tende bom ânimo, sou eu; não temais” (Mateus 14.27).


Muitas vezes encontramos razões para pensar que a tempestade irá afundar o barco. Foi isso que os discípulos do Senhor Jesus pensaram naquela noite logo após a multiplicação dos pães e dos peixes. Jesus acabará de fazer um milagre para todos. Como poderia Ele alimentar uma multidão com tão ínfima quantidade de pães e peixes? Só o próprio Deus poderia ter feito algo tão grandioso.

Mesmo assim, Jesus viu em seu grupo mais intimo de discípulos a dúvida e a incerteza. Ele então os envia para o mar. Jesus viu o que não vemos com facilidade. Apesar de, já conhecermos a história do Mestre é necessário confiar a Jesus a nossa própria vida. Sim, passamos por necessidades, por fome, por sofrimentos, por choros, decepções e fracassos. Temos visto o que Deus é capaz de fazer a multidões de esquecidos, de doentes e pecadores. Vemos o seu milagre, mas ainda assim não confiamos nEle plenamente. Parece que o milagre para todos, não é milagre suficiente para todos nós. Jesus matou a charada. Ele sabia que os milagres que Ele fazia não eram suficientes, pois o povo precisava confiar não somente seu estômago, seus bens, seu emprego, seu ministério, seus relacionamentos, mas a sua própria vida em suas mãos.

Eles estão com medo. A tempestade é terrível e o barco parece querer afundar. Jesus chega andando sobre as ondas. A primeira impressão foi de terror. Pensaram que aquele vulto seria um dos terríveis deuses do mar. Jesus chega bem perto e diz: Tende bom ânimo, sou eu, não temais”.

A linda história leva-me a crer que Jesus viu na tempestade o melhor momento, melhor até que a multiplicação dos alimentos, para: animar, alegrar, motivar, levantar e dar esperança aos seus amados discípulos.

A maravilhosa história também vem em encontro com a oportunidade e privilégio que temos de nada temer estando na presença do Filho ao passarmos por períodos de grande aflição.

Mas o maior propósito do Senhor Jesus era o de mostrar que era ele, Jesus, que eles podiam sempre confiar. Era o próprio Deus que estava com eles. Os discípulos precisam confiar em Deus as suas vidas. Pois, Jesus não é somente alguém que fez milagres, curas, alimentou multidões, andou sobre ás águas, acalmou ventos, distribuiu amor e atendeu os esquecidos. Ele é o próprio Deus.

Hoje a linda história continua a acontecer em tempestades que ocorrem em hospitais, presídios, quartos escuros, na solidão, na aparente fartura, no relacionamento quebrado, na traição, na decepção, na tristeza que parece sem fim, nas ondas de desespero e em ventos contrários. Ele aparece e diz: tendes esperança, tendes bom ânimo, não tenhas medo – SOU EU! Ele chegou andando sobre o mar. Ele pode aplainar o mar e acalmar os ventos. Ele está bem perto de nós. Mesmo que já o tenhamos visto agir, mesmo que já conhecêssemos os seus milagres e a sua história. Ele está aqui, perto de ti, para te dizer SOU EU que cuido de você pessoalmente.

Tende bom ânimo, não tenhas medo, Jesus chegou!