O Choro

[…] Porque o seu Pai sabe do que vocês precisam, antes mesmo de o pedirem” (Mateus 6.8).

Tenho um problema sério com minha filhinha que está com pouco mais de 30 dias de nascida. Esse é um problema de todos os pais. Desde ontem à noite e madrugada adentro Isabela estava agitada e não conseguia dormir. Com minha farta experiência de pai, procurei saber de todas as formas o que estava acontecendo: se estava frio, se a fralda estava suja, se estava com fome, se a mamãe não a tinha alimentado direito ou fora da hora ou se estava com cólicas. Nada!

Meu coração se quebrava e ficava incomodado com o choro e a total incapacidade de saber o que estava acontecendo com ela. Nos últimos dias vi várias reportagens na TV a respeito da comunicação com o bebê. Entre elas, uma reportagem em que os pais ensinam aos filhos a manifestarem o que eles querem através da linguagem de sinais, já que ainda não têm condições de falar, mas com um bebê de 30 dias, isso é impossível. Diante da impossibilidade, demos o que parecia ser o que Isabela estava pedindo: leite, mas com a nítida sensação de que não era aquilo que resolveria o problema.

Não pude deixar de fazer outra comparação com o nosso relacionamento com o Pai. Diferentemente do meu caso e o caso de muitos pais, Deus sabe o que precisamos e o que sentimos antes mesmo que abramos nossas bocas.

Muitas vezes as pessoas me perguntam como fazer para que Deus ouça a nossa oração ou se há uma forma, uma palavra, uma frase que digamos que garanta que Ele nos ouça. A resposta: Não há fórmula mágica, Deus sabe o que queremos e tudo o que Ele quer é que com nossa manifestação possamos nos relacionar com Ele de maneira pessoal e íntima.

Da mesma forma o Espírito nos ajuda em nossa fraqueza, pois não sabemos como orar, mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis. E aquele que sonda os corações conhece a intenção do Espírito, porque o Espírito intercede pelos santos de acordo com a vontade de Deus” (Romanos 8.26-27).

Ele entende o nosso choro, sabe o que sofremos, sabe onde dói e sabe exatamente o que fazer e quando fazer. Nossa responsabilidade é dizermos o que sentimos, o nosso sofrimento, onde dói e o que gostaríamos que fosse feito, mas nos sujeitando completamente à vontade de Deus, pois a solução dEle é melhor que a nossa.

É preciso percebermos se o que pedimos não é apenas para atender nosso orgulho: “Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres.” (Tiago 4.3) e se está dentro da vontade de Deus: “Elias era humano como nós. Ele orou fervorosamente para que não chovesse, e não choveu sobre a terra durante três anos e meio. Orou outra vez, e os céus enviaram chuva, e a terra produziu os seus frutos.” (Tiago 5.17-18). Mas Ele sempre sabe o que precisamos e o que queremos, o seu coração sente a nossa dor, como um pai que se compadece de seus filhos e nos dará o que precisamos e não a solução errada.

Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta. Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta será aberta. Qual de vocês, se seu filho pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou se pedir peixe, lhe dará uma cobra?” (Mateus 7.7-10).

Oração: Pai, eu derramo o meu coração e minhas necessidades diante de Ti, pois tenho chorado dia e noite. Perdoa-me por duvidar de Ti. Enche o meu coração de Tua paz, da certeza de que conheces a minha dor e de que Tu estás cuidando de tudo. Em nome de Jesus, amém.