O Grande Prêmio de Jerusalém

Eis que estamos subindo para Jerusalém e o Filho do homem será entregue aos príncipes dos sacerdotes, aos escribas e eles irão condená-lo à morte e entregá-lo aos gentios. Zombarão dele, cuspirão nele, irão açoitá-lo e hão de matá-lo: mas ao terceiro dia ele ressurgirá” (Mc 10.32-34).

No sábado à tarde quase chegando em casa liguei o rádio do carro numa estação de noticias que valorizo muito. Recebi de forma impactante a notícia do acidente que sofreu o querido piloto Felipe Massa. Emocionei-me ao me lembrar do Senna. Ao receber informações mais detalhadas sobre o acidente eu me choquei mais ainda, pois a pancada que sofreu este menino, foi também na cabeça. Será que o raio caiu duas vezes na cabeça de pilotos brasileiros? Graças a Deus as notícias são alvissareiras e nosso piloto está melhorando dia após dia.

Ao entrar num carro de Formula 1 o piloto de corridas, por mais que os carros estejam mais seguros, sabe que pode não voltar. Entretanto, nunca saberá o dia que isto acontecerá. É certo que agora sabe que poderá até acontecer, por causa de simples mola solta de um carro veloz a sua frente.

Jesus predisse sua própria morte. No texto acima, ele afirma que sofrerá dores de morte, abandono de irmãos e amigos, a solidão de um filho sem o Pai amado, a condenação injusta, o cuspe contaminado de ódio, o açoite do carrasco e a morte na Cruz. Mesmo assim, o filho do homem entrou em Jerusalém, sentado no cockpit de um jumentinho na certeza que naquela cidade Ele morreria.

Ao entrar em Jerusalém na improvável segurança de um jumentinho, Jesus é saldado e reverenciado por todos. A alegria daquele povo em encontrar o mestre, o messias era irradiante. Jesus se alegrava com o povo que rendiam glórias ao Deus-homem. Mas nada disto mudou os planos dEle de morrer no final daquela corrida, o Grande Prêmio de Jerusalém. Como um piloto que deseja a vitória, Jesus ao se encontrar no Jardim do Getsamani sua gotas de sangue, mas diz ao Pai, faça a tua vontade, quero vencer, nem que tenha que morrer, pois a vitória não estar em fazer a minha vontade, mas em fazer a vontade do Pai.

Ao vê-lo na cruz, muitos pensaram: Ele perdeu. Mas, graças a Deus, no terceiro dia, Ele ressurgiu. No pódio de meu coração Ele morará para todo sempre. O troféu Ele recebeu das mãos do Pai. Tudo isso, por amor.

Não sabes quando será o dia de sua morte, mas se soubesses, sentarias no cockpit do carro que te matarias? Ainda bem que Jesus entrou em Jerusalém. Glória a Deus, pois Ele preferiu sofrer e morrer por amor a mim e a você. Preferiu a vergonha de morrer na Cruz, do que viver a improvável e impossível segurança de não viver a vontade de Deus.

Faço-lhe o convite de fazer a vontade de Deus, de se consagrar ao Pai, de viver a vitória de Jesus na Cruz e a sua ressurreição. A ter a certeza da Salvação. Sabendo que tudo, tudo mesmo poderá acontecer entre os primeiros raios da manhã e até ao findar do dia, mas estás na segurança do colo do Pai amado.

E ressuscitarás!

Oração: Meu Senhor e Rei. Meu Pai amado. Seja o piloto de minha vida. Dirija meu lar, minha casa, meu casamento minha vida. Que teus caminhos sejam os meus caminhos. Que eu possa ver-te vitorioso em mim. E mesmo que esteja parecendo para muitos que estou perdendo a corrida, estarei sempre contigo, na tua presença, na tua vontade, serei mais do que vencedor.