Rei de Justiça

E será aquele homem como um esconderijo contra o vento, e um refúgio contra a tempestade, como ribeiros de águas em lugares secos, e como a sombra de uma grande rocha em terra sedenta. E os olhos dos que vêem não olharão para trás; e os ouvidos dos que ouvem estarão atentos” (Isaías 32.2-3).

Em 1968, lembro que meus pais saiam de Recife para trabalhar em uma igreja que ficava em Brejo da Madre de Deus, perto onde hoje fica o teatro ao ar livre chamado Nova Jerusalém, lugar onde todos os anos é encenada a Paixão de Cristo em Pernambuco. Naquela época não havia nenhum luxo na cidade e, com as nossas posses, o máximo que nos era cedido era dormir em uma garagem e dentro do carro (um fusca). Eu achava aquilo maravilhoso! Tinha seis ou sete anos de idade.

Nunca me saiu da lembrança a humildade do povo e do lugar, mas principalmente o sol escaldante. Quando saíamos pela cidade procurávamos todas as sombras possíveis para escapar do sol. Seja um poste ou simplesmente a parede de uma casa. Lembro que era maravilhoso quando nos escondíamos atrás de uma grande rocha. Ali sempre estava úmido e refrescante. Era bom ficar ali e descansar do calor.

A sombra de rocha é um lugar onde podemos nos proteger do sol escaldante, do calor que tira nossas forças ou durante uma tempestade nos protege da chuva gelada e dos ventos cortantes. O profeta Isaías fala de um rei de justiça que é como um esconderijo contra o vento, refúgio da tempestade, sombra em terra seca, ribeiro de águas em lugares secos. Esse rei é Jesus.

No meio do deserto de nossas lutas diárias, das batalhas no trabalho, nos estudos, nos relacionamentos partidos, na injustiça ou na doença, seja o que for, temos uma grande rocha para nos guardar dos tropeços, nos fortalecer na tristeza e nos refrescar quando sofremos. Diante de Jesus esquecemos o que ficou para trás e é diante dele que queremos ficar durante o resto de nossos dias.

Não devemos esquecer, porém, que diante desse Rei nos maravilhamos tanto que nós ficamos atentos ao que ele nos diz (“…os ouvidos dos que ouvem estarão atentos”), pois ele sabe o que é melhor para nós. Ele sabe o momento certo para cada coisa. Ele tem o remédio certo. É muito fácil chegarmos para ele reivindicando tudo, querendo que as coisas sejam do nosso jeito. Nós ficamos anos no deserto porque não queremos ouvir o que Jesus diz.

Quer alívio de sua dor? Quer buscar refúgio do vento cortante e do sol em uma terra sedenta? Procure Jesus. Diante dele você encontrará justiça, descanso e paz. Ele mesmo diz: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo e leve” (Mt 11.28-30).

Diante de Jesus nós encontramos alívio, esquecemos o que ficou para trás e podemos dizer o que queremos, mas descobrimos que ele é tão maravilhoso que só dá vontade de ouvir e fazer o que ele quer.

Oração: Senhor, eu reconheço que quando busco fazer as coisas do meu jeito, cedo ou tarde me descubro no deserto escaldante. Quero estar sempre diante de ti, encontrar descanso, ouvir a tua voz e fazer a tua vontade. Amém.