Paz no Meio da Tempestade

E eis que no mar se levantou uma tempestade, tão grande que o barco era coberto pelas ondas; ele, porém, estava dormindo. E os seus discípulos, aproximando-se, o despertaram, dizendo: Senhor, salva-nos! que perecemos. E ele disse-lhes: Por que temeis, homens de pouca fé? Então, levantando-se, repreendeu os ventos e o mar, e seguiu-se uma grande bonança. E aqueles homens se maravilharam, dizendo: Que homem é este, que até os ventos e o mar lhe obedecem?” (Mt. 8.24-27).

No texto, os discípulos de Jesus são pegos em uma grande tempestade e têm medo de afundar. Jesus está ali com eles, dormindo profundamente, mas os discípulos estão em pânico.

Eles acordam Jesus. Antes de tudo ele fala da falta de fé dos discípulos. Antes da tempestade, eles acreditavam que tinham fé e agora eles descobrem que ela é fraca ou simplesmente não existe. Quando Jesus acalma a tempestade, eles perguntam: “Quem é esse que até o vento e mar lhe obedecem?” Os judeus acreditavam que somente Deus tinha autoridade sobre o vento e o mar. Jesus diz: “Não se preocupem. Nas tempestades da vida, estou com vocês e não deixarei que vocês afundem”.

É fácil acreditar nessas palavras quando oramos e recebemos as respostas que desejamos. Quando os exames mostram que a cirurgia ou o tratamento médico deu certo, ou quando conseguimos manter o emprego, ou quando o casamento vai bem. Nós dizemos “Deus é tão bom! Ele respondeu minhas orações”. É fácil acreditar em Deus quando tudo vai bem.

Mas e quando os exames mostram que o tratamento médico falhou, o casamento está acabando em divórcio, ou perdemos o emprego? Podemos ainda dizer que Deus é bom? Muitos não conseguem e entram em crise. Dizemos: “Deus me abandonou. Porque Ele deixou isso acontecer comigo?”. É aí que estamos no olho da tempestade. Podemos até ir à igreja, orar, ler a Bíblia, mas nosso relacionamento com Deus é distante e formal.

O problema é que nós perdemos o controle e achamos que Deus não está fazendo as coisas do jeito que nós achamos que Ele deveria fazer. A verdade é que as tempestades fazem parte da vida Cristã. Diferentemente do que é ensinado em muitas igrejas hoje, o cristão não está livre de dificuldades e o passarmos por elas não quer dizer que não temos fé. Jesus mesmo disse: “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo” (João 16.33).

Em chinês, a palavra crise tem dois significados: perigo e oportunidade. Quando estamos em uma crise espiritual, o perigo é perdermos nossa fé em Deus ou que nosso relacionamento com Ele se torne frio e distante. A oportunidade da crise pode nos levar ao crescimento e desenvolvimento de nosso relacionamento com Ele. Podemos não ser responsáveis pelas circustâncias, mas somos responsáveis para maneira como permitimos que essas circunstâncias nos afetem: podemos deixar que elas nos afundem, ou podemos deixar que elas nos transformem naquilo que Deus quer que sejamos.

Quando entregamos nossa vida e nossos desejos totalmente a Jesus, ele não somente está no barco vivendo em nós, mas ele é o piloto. E se deixamos tudo nas mãos dele, seremos levados a um lugar de paz e calma absolutas. Podemos ter paz quando as tempestades nos atingem, porque sabemos que Deus está no comando e que Ele quer nos levar a um bom lugar. Essa certeza, essa paz vem pelo Espírito de Deus.

Oração: Senhor, eu sei que as tempestades virão, mas entrego todos os meus desejos e toda a minha vida em tuas mãos. Sei que me levarás a um lugar seguro, porque estás no controle de tudo.